Um anúncio sozinho não faz verão

Susan Boyle, você deve se lembrar dela, não é? É certo que Susan ficou conhecida num breve espaço de tempo por um número de pessoas muito maior do que ela mesma havia imaginado para si. Talento e oportunidade foram ingredientes fundamentais para que ele se tornasse um foguete atômico de performance global, mais falado do que os usados nos testes da Coréia do Norte ultimamente. Utilizando essa analogia podemos crer que é possível sim, alcançar uma mega exposição também para uma empresa. Claro que é possível. E existe um preço a pagar para isso embora tudo pareça fácil.
Dificilmente saberemos se houve outras estratégias além das que conhecemos para que Susan Boyle tivesse chegado onde chegou e esse nem é o propósito do nosso texto. Queremos sim falar sobre os mecanismos que levam uma pessoa ou porque não dizer uma empresa ao estrelato instantâneo. No caso das empresas, é possível que um empresário estabeleça para si a busca de uma oportunidade nos moldes de Susan Boyle, contudo, a realidade da maior parte dos empreendimentos nos mostra que o conhecimento de uma determinada marca por seus clientes é fruto de um trabalho de comunicação a médio e longo prazo.
Por mais que vários empresários concordem conosco a respeito da verdade na afirmativa acima, o que vemos, em suas atuações é ainda em alguns casos, atitudes de publicação de anúncios isolados onde após a compra é que se pensa no que irá veicular. Soma-se a isso ainda a necessidade veemente de que o mesmo traga resultados. Ali, isolado, sozinho, sem uma estratégia de comunicação que dê suporte e continuidade para sua atuação.
Se o que ele comunicar for tão talentoso e oportuno como Susan Boyle, estaremos diante de um novo fenômeno, só que as chances de isso acontecer são ínfimas. O que geralmente acontece é que se este anúncio for uma publicação isolada, ele praticamente passará desapercebido pelo consumidor que vendo-o somente uma vez, pode nem perceber o beneficio que está sendo apresentado. Se ele fizer parte de uma campanha, é uma peça de um dominó que dentro de um espaço de tempo tem uma forte tendência de trazer os resultados que desejamos.
Aqui na Anima, já tivemos anúncios que rodaram o mundo devido ao entusiasmo que muitos tiveram ao ler suas mensagens. E isso nos enche de orgulho. Na maioria dos casos trata-se de comunicação a longo prazo, relacionamento sadio com o cliente, expectativas racionais com relação aos resultados que ele pode oferecer e uma dose gigante de inteligência criativa e talento de nossa equipe. Não acreditamos em grupos criativos que sentam para criar um anúncio “Susan Boyle” que trará sucesso instantâneo para um produto. Nossa experiência nos leva a crer que isso é realmente fruto de oportunidade e o melhor é estar sempre preparado para quando ela aconteça. Também somos muitos cautelosos com relação aos resultados que um anúncio ou até mesmo uma campanha isolada possa trazer a um cliente. Talvez seja muita responsabilidade delegada. O melhor a fazer é trabalhar continuamente num processo de comunicação integrado e contínuo. Por mais que você, caro leitor, possa não apreciar, é dessa maneira que carreiras como Roberto Carlos e Marisa Monte foram e são construídas.

autor Tininha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *